MENU
Sul News
Naviraí - MS, 25/9/2017
Hoje: Máx 0°C / Mín 0°C

Mesmo com gasto milionário, erosão avança rumo à cidade

IVINHEMA

Foto: IVI NOTÍCIAS
Mesmo com gasto milionário, erosão avança rumo à cidade
Erosão perto do perímetro urbano de Ivinhema

Vistoria feita na semana passada confirma que obras foram ineficientes e Ministério Público estuda ação judicial -

HÉLIO DE FREITAS / CAMPO GRANDE NEWS

Todas as obras feitas até agora, com gasto de pelo menos R$ 6 milhões, se mostraram ineficientes para controlar a erosão que avança em direção à cidade de Ivinhema. Na semana passada, uma vistoria feita por pesquisadores da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer), pela promotora de Justiça Juliana Martins Zaupa e por técnicos do setor de engenharia da Prefeitura revelou que o problema, surgido há pelo menos 20 anos, continua longe de uma solução.

Após a vistoria, a promotora anunciou que pretende adotar medidas previstas em lei, com ação civil pública ou celebração de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para tentar acabar com as grandes erosões, que continuam avançando em direção à cidade.

Segundo ela, desde o surgimento da cratera, já foram feitas obras de engenharia pelo município. No entanto, estas intervenções se mostraram insuficientes e muitas já estão destruídas.

Perícias feitas pelo Departamento Especial de Apoio às Atividades de Execução (Daex) do Ministério Público Estadual (MPE - MS) mostram que a maior causa das erosões está ligada à falta ou deficiência no sistema de drenagem urbana. Um grande volume de água dos bairros chega às voçorocas e assoreiam os córregos.

A promotora procurou referências técnicas para auxiliar a prefeitura a elaborar projetos para conter a erosão. Ela recebeu do Ministério de Minas e Energia o documento “Ação Emergencial para Delimitação de Áreas em Alto e muito Alto Risco a Enchentes e Inundações e Movimentos de Massa”, que tem como objetivo mapear, descrever e classificar as situações e minimizar os riscos.

A vistoria da semana passada seguiu os parâmetros desse documento do governo federal. O trabalho foi feito por dois técnicos especializados da Agraer, os engenheiros agrônomos João Lopes Cupertino e Ari Fialho Ardenghi.